simplebooklet thumbnail

Jornal Portugues 06042021 : simplebooklet.com

Portuguese Rádio Pty Ltd T/as Jornal Português ABN: 61 092 909 987 ACN: 092 909 987
Jornal PortuguêsJornal Português
PORTUGUESE NEWSPAPER AUSTRALIA MAGAZINE weekly Digital Edition N:1475
Terça-feiraTerça-feira
06/04/2106/04/21
Austrália magazineAustrália magazine
Inundações na
Indonésia deixam pelo
menos 44 mortos
A chuva torrencial levou à destruição de várias
infraestruturas, e o número de vítimas mortais poderá
ainda aumentar.
Pelo menos 44 pessoas morreram neste domingo,
fruto de inundações e deslizamentos de terras na ilha
das Flores, no leste da Indonésia.
"Há 44 pessoas mortas e nove feridas" na região leste
de Flores e "muitas (...) continuam debaixo da lama",
disse à AFP o porta-voz da agência de gestão de
desastres, Raditya Jati.
Os incidentes registarem-se cerca da 01h00 horas
locais (18h00 de sábado em Portugal continental). a
poucas horas do início das celebrações da Semana
Santa - a maior parte da ilha é católica -, quando
pontes e estradas da ilha das Flores foram destruídas,
e dezenas de casas foram cobertas por lama.
Também em Díli, capital de Timor-Leste, a poucos
quilómetros da ilha das Flores, as chuvas torrenciais
levaram a inundações repentinas, que causaram a
morte a, pelo menos, 11 pessoas.
2 JornalPortuguês 2 JornalPortuguês 06/04/2106/04/21 NoticiasNoticias
Esplanadas. Conheça as
regras a cumprir para
não cair em incumprimento
O guia de boas práticas já foi divulgado pela AHERSP,
depois de ter sido aprovado pela DGS, no nal do dia
de terem aberto as esplanadas.
As esplanadas abriram esta segunda-feira, no âmbito
da segunda fase de desconamento, mas só no nal
do dia é que foram conhecidas as regras que foram
aprovadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS) e
publicadas no guia das boas práticas da AHRESP.
De acordo com o documento é aconselhado sempre
que possível e aplicável, promover e incentivar o
agendamento prévio para reserva de lugares por
parte dos clientes”, já em relação à disposição das
cadeiras e mesas no exterior do estabelecimento – é
o caso, por exemplo das esplanadas – tem de garantir
uma distância de, pelo menos, dois metros entre as
pessoas e, no corredor entre as mesas, deverá manter
uma distância de, pelo menos, 1,5 metros. Por seu
lado, os lugares em pé, pela diculdade de garantir
a distância entre pessoas estão desaconselhados,
revela a entidade
Mas os cuidados não cam por aqui. A circulação
de pessoas para as instalações sanitárias devem
ocorrer em circuitos onde seja possível manter a
distância adequada entre as pessoas que circulam
e as que estão sentadas nas mesas”, acrescentando
que “sempre que possível, os lavatórios devem estar
acessíveis sem necessidade de manipular portas”. Ao
mesmo tempo, está previsto evitar a circulação de
clientes pelo espaço, sinalizando quais os percursos
mais adequados.
Além disso, é aconselhado que os coabitantes se
possam sentar frente a frente ou lado a lado a uma
distância inferior a dois metros, já a disposição dos
lugares deve ser feita em diagonal para facilitar a
manutenção da distância de segurança, ao mesmo
tempo, em que deve ser possível evitar a circulação de
clientes pelo espaço, sinalizando quais os percursos
mais adequados.
O mesmo guia recomenda que seja essencial que
todos os colaboradores estejam devidamente
informados sobre a doença, o plano de contingência
adotado pelo estabelecimentos e capacitados
sobre os procedimentos que devem ser cumpridos
individualmente e em grupo.
Em relação dos clientes, os estabelecimentos
devem informar que estes devem evitar tocar em
superfícies e objetos desnecessários, que não podem
modicar a orientação das mesas e das cadeiras e
que devem manter uma distância de, pelo menos,
dois metros nas las de espera no espaço exterior ao
estabelecimento e nas las de espera que se geram
para pedidos/pagamentos ao balcão.
O reforço da necessidade do uso adequado de
máscara é outra palavra de ordem.
JornalPortuguês 06/04/21 3
O PROGRAMA DE VACINAÇÃO
CONTRA COVID-19 DA
AUSTRÁLIA JÁ COMEÇOU.
As vacinas contra COVID-19 manterão a Austrália segura e protegerão
o nosso modo de vida. As pessoas com maior risco de doenças graves
e aquelas que estão mais provavelmente expostas ao vírus nas nossas
comunidades serão vacinadas em primeiro lugar, incluindo:
• Trabalhadores de quarentena e das fronteiras
Trabalhadores de primeira linha de cuidados de saúde,
de deficientes e idosos
• Pessoas que vivem em acomodação para idosos e deficientes
A vacina oferece a melhor proteção contra COVID-19, mas também
é importante continuarmos a manter-nos todos COVIDSafe
Para saber quando chegará a sua vez, a australia.gov.au ou ligue para
a National coronavirus and COVID-19 vaccine helpline 1800 020 080.
Para serviços de tradutores e intérpretes ligue para 131 450.
Autorizado pelo Governo Australiano, Canberra
O PROGRAMA DE
VACINAÇÃO CONTRA
COVID-19 DA AUSTRÁLIA
Segura. Eficaz. Grátis.
4 JornalPortuguês 06/04/21 NOTICIAS
Variante britânica foi detetada
em mais de 80% dos novos casos
de covid-19 em Portugal
Variante é responsável pela "grande maioria" de
novos casos no país.
A variante do vírus SARS-CoV-2 descoberta no
Reino Unido foi detetada em 82,9% das amostras
recolhidas em março em Portugal, sendo responsável
pela "grande maioria dos casos" registados no país,
anunciou, esta segunda-feira, o Instituto Nacional de
Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA).
"Entre as novas sequências analisadas, a variante
associada ao Reino Unido foi detetada por
sequenciação com uma frequência relativa de 82.9%
na amostragem nacional de março, continuando
numa trajetória de frequência ascendente", lê-se no
Relatório de situação sobre a diversidade genética do
novo coronavírus SARS-CoV-2 em Portugal.
Há também "um aumento considerável em relação
à amostragem de fevereiro" da variante sul-africana,
apesar de a sua circulação ainda ser "pouco frequente
na comunidade". Até ao momento, a variante foi
detetada em 49 casos, 27 dos quais detetados na
amostragem de março.
"A análise logeográca indica que esta variante foi
introduzida várias vezes de forma independente
em Portugal. Não obstante, entre as 49 sequências,
identicam-se alguns 'clusters' bem denidos
(por exemplo, cadeias de transmissão limitadas a
agregados familiares ou instituições), sugerindo que a
circulação é ainda pouco frequente na comunidade",
-se.
Segundo o INSA, foram detetados 22 casos da
variante P.1 (associada ao Brasil, Manaus) "sendo que
apenas quatro casos desta variante foram detetados
na amostragem março, mantendo a mesma
frequência relativa (0.4%) observada em fevereiro, o
que se sugere que a circulação desta variante é muito
limitada em Portugal".
Já "a variante P.2, também detetada inicialmente
no Brasil, revelou um decréscimo na sua frequência
relativa na amostragem de março, tendo sido
detetado apenas um caso entre as 1.094 sequências
analisadas".
O INSA explica que "a amostragem nacional de
março de 2021 por sequenciação cobriu 10,4% das
amostras positivas reportadas durante o período em
análise em Portugal, pelo que os dados apresentados
reetem de forma robusta o peso das variantes em
circulação no atual curso da epidemia no país".
Até à data foram analisadas 5.758 sequências do
genoma do novo coronavírus, obtidas de amostras
colhidas em 89 laboratórios, hospitais e instituições,
representando 252 concelhos de Portugal. Desde o
relatório de 3 de março foram analisadas mais 1.345
sequências.
NOTICIAS Jornal Português Jornal Português 06/04/21 5 5
Polícia de Minneapolis admite
que agente responsável
pela morte de George Floyd
"violou" as regras
"Aquilo não faz parte da nossa política, não é o que
ensinamos", disse o chefe da Polícia em tribunal.
O chefe da Polícia de Minneapolis, Medaria
Arradondo, admitiu, esta segunda-feira, em tribunal
que o agente Derek Chauvin, o único agente acusado
de homicídio na morte de George Floyd, "violou" a
"política" das forças de segurança. Recorde-se que o
afro-americano morreu, a 25 de maio de 2020, após o
polícia se ter ajoelhado nas suas costas durante mais
de nove minutos.
"Concordo, denitivamente, que viola a nossa
política", armou. "Aquilo não faz parte da nossa
política, não é o que ensinamos".
"Temos um dever de auxílio e, portanto,
quando alguém está sob a nossa custódia,
independentemente de ser um suspeito, temos uma
obrigação de assegurar assistência", acrescentou.
No entanto, Arradondo admite que a ação de Chauvin
podia ter sido aceitável "nos primeiros segundos"
mas "devia ter parado" quando a vítima pediu
socorro. "Assim que o senhor Floyd parou de oferecer
resistência, e seguramente assim que começou a
car em diculdades e a tentar verbalizar isso, aquilo
devia ter parado", explica.
Na morte de George Floyd estão quatro agentes
envolvidos: Derek Chauvin, Alexander Kueng,
Thomas Lane e Tou Thao. Chauvin está acusado
de dois crimes de homicídio e os restantes serão
julgados por "cumplicidade no homicídio".
6 Jornal Português 06/04/21 NOTICIAS
Cabo Delgado. Tropas
controlam Palma, mas
a tragédia continua
Se antes do ataque as autoridades já não conseguia
providenciar comida à população de Palma, há
dúvidas que o consiga após fugirem.
Após mais de dez dias de combates ferozes contra
jiadistas, as forças armadas moçambicanas nalmente
proclamaram estar em pleno controlo de Palma. As
autoridades já falam em reativar o aeródromo desta
vila - tão crucial para a exploração de gás liquefeito,
que Maputo quer rapidamente retomar - e até de
criar uma ponte aérea, para permitir alimentar a
população que regresse às suas casas. Contudo, para
os mais de 3591 deslocados que conseguiram chegar
a Pemba, segundo o Instituto Nacional de Gestão
de Desastres (INGD), fugindo do terror e massacre
na sua vila para encontrar uma cidade inundada de
refugiados, não têm solução à vista, por mais que se
faça promessas.
Esta maré humana desesperada que chegou à capital
provincial - ainda assim, uma gota de água face às
estimativas de mais de 700 mil deslocados pelo
conito - precisa de ajuda humanitária urgente, em
particular as 669 crianças que escaparam, tendo três
mulheres dado à luz durante a fuga, segundo um
relatório do INGD, visto pela Lusa.
Os refugiados com mais sorte - talvez a expressão
adequada seja menos azar - conseguiram car em
casa de familiares, amigos, ou tiveram a sorte de que
alguma família lhe abrisse as portas. Outros tiveram
de car em centros transitórios, onde, segundo
todos os relatos, não é nada fácil manter as regras de
segurança face à covid-19.
No total, cerca de 9900 pessoas terão fugido de Palma,
segundo dados do Escritório das Nações Unidas
para a Coordenação de Assuntos Humanitários
(OCHA). Muitos continuam desaparecidos no mato,
ou chegaram a Mueda, Montepuez ou Nangade,
mais a sul da província. Outros foram parar à vizinha
Tanzânia, ou ainda mais longe, à distante província
da Zambézia.
Aí - numa região que teve um ano de más colheitas,
com o sol a queimar tudo e sem água suciente,
enquanto na vizinha Beira, o problema foi o oposto,
no rescaldo do ciclone Eloíse - a fome e miséria são
absolutas.
“Isto é semente da melancia. Torro as sementes e
misturo com as folhas. Aqui há muita fome não temos
comida. A comida que tinha, recebi há muito tempo,
em janeiro deste ano, explicou Catarina Moisés, à
DW. Fugiu do ataque de Palma com os seus lhos, até
chegar a Nicoadala, na Zambézia, a mais de 1100 km
de distância pela estrada, o equivalente a mais de três
vezes a distância de Lisboa ao Porto.
São histórias que se repetem uma e outra vez. É que,
mesmo antes do ataque a Palma, já escasseavam
alimentos na vila, levando inclusive a protestos da
população, avançou o Nascer do SOL - para quem
teve de fugir, a situação obviamente que se tornou
ainda mais dramática.
Ainda assim, ao tomar Palma, mais uma vez as
autoridades moçambicanas zeram questão de
se centrar na vitória, não no pesado custo para as
populações. Acho que um número signicativo de
terroristas foi abatido”, salientou Chongo Vidigal,
chefe das operações militares para recuperar o
controlo da vila, ao canal estatal TVM.
Vidigal até garantiu que as instalações da petrolífera
francesa Total, na península de Afungi, a uns 25 km
de Palma, são seguras, estão protegidas. No entanto,
isso não impediu a petrolífera de retirar o resto do
pessoal que mantinha nas suas instalações, esta sexta-
feira, por meios aéreos ou marítimos, abandonando,
por agora, o maior investimento privado em curso
em África, na ordem dos 20 mil milhões de euros.
7 Jornal Português 06/04/21 NOTICIAS
Timor-Leste. Face à tragédia
das cheias, o medo da covid-19
Timor-Leste recebeu 24 mil doses de vacina, mas o
armazém onde iam car foi inundado. E, no meio da
fuga, ninguém consegue pensar no vírus.
As águas engoliram bairros inteiros de Dili, após
três dias de chuvas intensas no rescaldo do ciclone
tropical Seroja, resultando na destruição de estradas,
pontes e casas, com 27 mortos conrmados na
segunda-feira, numa altura em que “toda a cidade é
uma zona de desastre, alertou uma fonte da Proteção
Civil timorense, à Lusa. Contudo, mesmo face ao
avanço das águas, com cada vez mais habitantes
a serem retirados da capital, o próximo grande
risco é o alastrar da covid-19 pelo país, dado que o
connamento de Dili deixou de existir, alertou o
analista timorense José Sousa-Santos, no Twitter.
Até recentemente, Timor-Leste parecia escapar ao
pior da pandemia, com menos de 50 infeções por
covid-19 registadas até janeiro deste ano, na sua
maioria casos importados. No entanto, subitamente,
os casos começaram a crescer, chegando aos 714 este
sábado - entretanto, o mês passado, fora ordenado o
connamento na capital, bem como nas cidades de
Baucau e Viqueque, para evitar que o vírus alastrasse
ao resto do país.
É natural que, neste momento, essa não seja a maior
preocupação dos cerca de 220 mil habitantes de Dili,
em particular dos pelo menos sete mil desalojados
pelas cheias, segundo as autoridades. Imagens nas
redes sociais mostram edifícios inteiros a ser varridos
pelo rio Comoro, no oeste da capital, outros com água
pelo telhado, estando o próprio Palácio Presidencial
entre os edifícios inundados, avançou a Reuters.
A tragédia abateu-se sobre o país na mesma altura
em que chegava a grande esperança na luta contra
a covid-19. Tratava-se do primeiro lote de vacinas
fornecido pela Covax, um programa de doadores
como a Organização Mundial de Saúde e a Fundação
Bill e Melinda Gates, para fazer chegar aos países em
desenvolvimento pelo menos 20% da vacina que
necessitam. Mesmo no meio de toda a destruição,
um charter contratado pela Fundo da Nações Unidas
para a Infância (UNICEF) conseguiu aterrar em Dili,
esta segunda-feira, levando 24 mil doses de vacina,
segundo a Lusa.
As vacinas foram recebida com pompa e circunstância,
entre discursos de dirigentes e danças tradicionais,
após grandes receios de que a chuva impedisse a
aterragem do avião. Ainda assim, as diculdades
não caram por aqui - o armazém onde se planeava
guardar as doses de vacina, um dos principais
pontos de distribuição de equipamento médico e
medicamentos do país, acabou inundado.
“Os funcionários estão a tentar salvar o que
podem, escreveu no Twitter Alex Tilman, um dos
coordenadores para o desenvolvimento das Nações
Unidas em Timor-Leste, na legenda de fotograas de
medicamentos destruídos pela água.
Entretanto, o Governo português já ofereceu a sua
ajuda a Timor-Leste. Trabalharemos para esse m nos
próximos dias”, prometeu o ministro dos Negócios
Estrangeiros, Augusto Santos Silva. “Há registo de
muitos danos materiais, não há registo de nenhum
dano pessoal entre a comunidade portuguesa. De
qualquer forma, ainda é preciso apurar os danos
materiais, salientou, à Lusa, após conversar com a
sua homóloga timorense e o embaixador português
em Dili. Ambos disseram que nunca nas respetivas
vidas tinham visto chover com esta intensidade e
violência.
NOTICIAS JornalPortuguês 06/04/21 8
Navalny denuncia casos
de tuberculose na
prisão onde está detido
O opositor do regime de Vladimir Putin diz estar com
febre e tosse forte.
Alexei Navalny denunciou, esta segunda-feira,
uma vez mais, as condições em que vive no centro
penitenciário N.º 2 de Pokrov, para onde foi transferido
há quase um mês. Segundo o opositor russo, três dos
seus colegas de cela já foram hospitalizados devido a
suspeitas de tuberculose e o próprio está com "tosse
forte e temperatura de 38,1.ºC".
Num comunicado, divulgado nas suas redes sociais,
um dia após ter sido emitido na televisão estatal
da Rússia imagens de Navalny "sentado na melhor
prisão com condições e alimentação ideais, como
num restaurante", o opositor do regime de Vladimir
Putin diz que três dos seus colegas foram internados
com tuberculose.
"São 15 pessoas na cela, ou seja, 20% do número
estão doentes, isso é muito superior ao limiar
epidemiológico", arma.
No entanto, a situação está a ser desvalorizada pelas
autoridades e o estabelecimento está a retratado
pela comunicação social estatal como "exemplar
e ideal". "Fico surpreendido que não haja o vírus da
Ébola aqui", revela.
Após a hospitalização do terceiro colega, os detidos
foram ler as normas de "prevenção da doença". "Eles
escrevem que precisamos de aumentar a imunidade
com uma boa nutrição e alimentos ricos em proteínas",
sublinha Navalny, armando que no estabelecimento
é impossível manter uma boa alimentação, uma vez
que os "presos comem mingaus, como 'cola' e batatas
congeladas".
"Convido os correspondentes dos canais de Putin
para passar a noite na nossa 'prisão ideal', numa cama
com um condenado com tosse", diz.
Navalny revela ainda que está com sintomas de
tuberculose. "Estou a citar os dados ociais da
medição de temperatua de hoje: 'Navalny, tosse
forte, temperatura 38,1'". "Se eu tiver um tubo, talvez
isso acabe com a dor nas costas e a dormência nas
minhas pernas. É bom. Fortaleça a sua imunidade",
ironiza.
Recorde-se que Navalny está em greve de fome desde
o passado dia 31 de março. O protesto começou após
as autoridades terem ignorado o seu pedido para ser
examinado, por um médico independente, a "uma
aguda dor nas costas".
"Continuo a minha greve de fome, é claro. Tenho
o direto legal de pedir um médico especialista às
minhas próprias custas. Não vou desistir, e os médicos
da prisão são tão conáveis quanto a televisão
estatal", termina.
9 Jornal Português 06/04/21 NOTICIAS
França regista 10.793
casos de covid-19 e quase
200 vítimas mortais
O número de internamentos no país continua a
aumentar.
França registou, esta segunda-feira, 10.793 casos do
novo coronavírus e 197 vítimas mortais, de acordo
com o Ministério da Saúde francês. Mais de 300 mil
pessoas recuperaram da doença na últimas 24 horas.
O número de internamentos no país continua a
aumentar, e estão atualmente cerca de 30 mil pessoas
hospitalizadas com sintomas da covid-19. Do total,
5.433 estão em Unidades de Cuidados Intensivos.
O governo francês informou ainda que, à data de hoje,
já foram administradas 9.351.329 primeiras doses da
vacina contra a covid-19 e 3.142.151 segundas doses.
Desde o início da pandemia, as autoridades francesas
já registaram 4.833.263 casos de contágio e mais
de 96 mil pessoas morreram devido a complicações
associadas à doença.
NOTICIAS Jornal Português 06/04/21 10
Estudo diz que beber sumo
de laranja aumenta risco
de ter cancro da pele
Os citrinos contêm uma substância conhecida como
psoraleno, que torna a pele sensível à radiação
ultravioleta.
Beber sumo de laranja pode parecer saudável, mas
aumenta o risco de desenvolver cancro da pele.
Quem o diz são investigadores da Universidade de
Indiana, nos Estados Unidos da América.
O estudo, publicado pela Associação Britânica de
Dermatologistas e citado, esta segunda-feira, pelo
jornal The Sun, indica que os citrinos contêm uma
substância conhecida como psoraleno, que torna a
pele sensível à radiação ultravioleta, a principal causa
do cancro de pele.
No estudo, foi possível perceber que as pessoas que
bebem mais de um copo de sumo de laranja por
dia têm um risco acrescido de 54% de desenvolver
cancro de pele. Já as que comem mais de uma laranja
por dia apresentam um risco de 79%.
"Esta investigação pode ajudar os prossionais
a aconselhar melhor os pacientes para reduzir a
ingestão de frutas cítricas", refere o investigador
Harriet Dalwood.
Assim, quem tiver histórico familiar de cancro da pele
deve evitar sumos de frutas cítricas, principalmente
de laranja, aconselham os dermatologistas.
11 Jornal Portugues 06/04/21 ADVERTISING
NOTICIAS Jornal Português 06/04/21 12
Espanha regista 10.360
novos casos de covid-19
e 85 vítimas mortais
A incidência de casos no país situa-se nos 163,4
por 100 mil habitantes, um aumento face à última
atualização.
Espanha registou, esta segunda-feira, 10.360 casos
do novo coronavírus e 85 vítimas mortais, de acordo
com dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde
Espanhol.
A incidência de casos no país situa-se nos 163,4
por 100 mil habitantes, um aumento face à última
atualização.
Atualmente, há 8.944 pessoas internadas com
covid-19 nos hospitais espanhóis, 931 das quais
deram entrada durante o m de semana. Há 1.925
doentes em Unidades de Cuidados Intensivos.
Desde o início da pandemia, Espanha conta com um
total acumulado de 3.311.325 casos de contágio e
75.783 pessoas morreram com sintomas associados
à doença.
13 JornalPortuguês 06/04/21 NOTICIAS
Putin assina lei que
lhe permitirá mais dois
mandatos presidenciais
Vladimir Putin, de 68 anos, está na liderança da Rússia
desde 2000.
O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou, esta
segunda-feira, uma lei que lhe poderá permitir mais
dois novos mandatos presidenciais. Assim, o chefe de
Estado russo poderá preservar o seu lugar no poder
até 2036.
Putin, de 68 anos, está na liderança do país desde
2000 e devia retirar-se em 2024, no nal do seu atual
mandato, uma vez que a Constituição do país apenas
aceita dois mandatos presidenciais consecutivos. No
entanto, de acordo com a lei promulgada – adotada
pelo parlamento em março, após um referendo
constitucional no verão passado –"esta restrição
não se aplica a quem ocupava o cargo de chefe de
Estado antes da entrada em vigor das emendas à
Constituição" aprovadas por referendo em 2020.
Putin foi Presidente da Rússia entre 2000 e 2008.
Após ter atingido o limite de dois mandatos, assumiu
o cargo de primeiro-ministro. Em 2012, viria a ser
reeleito Presidente.
NOTICIAS JornalPortuguês 06/04/21 14
Ex-príncipe herdeiro da
Jordânia acusado de contacto
com partidos externos
Hamzah bin Hussein acusa a prisão domiciliária,
no âmbito de várias detenções no país. O mundo
islâmico já respondeu, apoiando o rei Abdullah II.
O ex-herdeiro à coroa da Jordânia, Hamzah
bin Hussein, arma que foi colocado em prisão
domiciliária pelas autoridades do país, como se
verica num vídeo enviado pelo mesmo à BBC. Na
declaração, o ex-príncipe garante que o chefe da
autoridade militar do país o proibiu de sair da sua
casa, bem como de falar ou encontrar-se com outras
pessoas.
Hamzah queixa-se de ter cado sem segurança e
sem contacto telefónico, augurando ainda que caria
sem conexão à internet via satélite, por onde fez
este apelo enviado à estação de televisão britânica,
através do seu advogado.
O ex-príncipe relata ainda estar a ser punido por
alegadamente participar em críticas ao seu meio-
irmão, o rei Abdullah II, bem como em conspirações
para um possível golpe de Estado. Hamzah nega
ainda qualquer responsabilidade pelo "colapso da
governança, pela corrupção e incompetência que
prevaleceram na estrutura do Governo nos últimos
15 a 20 anos".
"Os serviços de segurança, através de investigações
exaustivas (...), acompanharam durante muito tempo
as atividades e movimentos do príncipe Hamzah bin
al-Hussein, Sharif Hasan bin Zaid e Basem Awadallah
e outros que visavam a segurança e estabilidade da
pátria", garantiu o vice-primeiro-ministro do país,
Ayman Safadi, que acusa ainda estas pessoas de ter
tido "contacto com partes externas sobre o momento
mais apropriado para começar a agir no sentido de
desestabilizar a segurança" da Jordânia.
Em resposta, vários países islâmicos expressaram o seu
apoio ao rei da Jordânia, entre eles o Irão. O ministro
dos Negócios Estrangeiros do país fez questão de
sublinhar "a importância da paz e da estabilidade" no
país. "A República Islâmica do Irão opõe-se a qualquer
interferência estrangeira, e acredita que todos os
assuntos internos dos países devem ser resolvidos
dentro da estrutura da lei", referiu Said Jatibzadeh,
porta-voz de Teerão, em comunicado ocial, que
aproveitou ainda para defender que qualquer tensão
na região da Ásia Ocidental "benecia o regime
sionista [de Israel]".
Benny Gantz, ministro da Defesa israelita, não
pareceu, no entanto, inclinado a intrometer-se na
polémica, garantido que as detenções na Jordânia
se tratam de "um assunto interno", e que o país é um
aliado com quem mantém "relações pacícas".
ADVERTISING JornalPortuguês 06/04/21 15
16 JornalPortuguês 06/04/21 noticias
Detetada variante
"mais transmissível" do
SARS-CoV-2 em Angola
A nova variante "não foi ainda reportada em nenhum
outro país".
Cientistas sul-africanos descobriram uma variante
"mais transmissível" do SARS-CoV-2 na primeira
sequenciação genómica realizada com amostras
recolhidas em Angola. A variante foi descoberta
no mês passado em três cidadãos da Tanzânia, em
Angola.
"Quando comparada com outras variantes de
preocupação (VOC, na sigla em inglês) e variantes
de interesse (VOI), está é mais divergente", armou
o professor Túlio de Oliveira, que lidera a equipa
de cientistas sul-africanos da Universidade do
KwaZulu-Natal, especialistas em inovação e
sequenciamento genómico, que realizou o estudo.
A descoberta é "um novo VOI dada a constelação de
mutações com signicado biológico conhecido ou
suspeito, especicamente resistência a anticorpos
neutralizantes e transmissibilidade potencialmente
aumentada".
"Embora tenhamos detetado apenas três casos com
esta variante, isto justica uma investigação urgente,
pois o país de origem, a Tanzânia, tem uma epidemia
em grande parte não documentada e poucas
medidas de saúde pública em vigor para prevenir a
propagação dentro e fora do país", armou Túlio de
Oliveira ao semanário sul-africano Sunday Tribune.
A nova variante "não foi ainda reportada em nenhum
outro país".
noticias JornalPortuguês 06/04/21 17
No Reino Unido já morreram
sete pessoas vacinadas contra
a covid-19 com a AstraZeneca
Regulador conrma números, mas insiste em riscos
"muito pequenos".
Sete pessoas que tomaram a vacina da AstraZeneca
contra a covid-19 morreram com problemas
associados a coágulos sanguíneos, no Reino Unido.
A Agência Reguladora de Medicamentos e Cuidados
de Saúde do Reino Unido (MHRA) conrmou que sete
pessoas vacinadas contra a covid-19 com o fármaco
da AstraZeneca morreram na sequência de coágulos
sanguíneos, num total de 30 casos identicados a
agora.
No entanto, no mesmo comunicado, o regulador
insiste que os riscos associados à vacina são "muito
pequenos" e que a população deve continuar a ser
vacinada, defendendo que os benefícios ultrapassam
os eventuais perigos.
"As vantagens da vacina da AstraZeneca para prevenir
a infeção com covid-19 e as suas complicações
continuam a ser largamente superiores aos riscos e
o público deve continuar a receber a vacina", disse a
diretora da MHRA, June Raine.
A responsável adiantou ainda que nenhum caso
semelhante foi sinalizado para a vacina da Pzer/
BioNTech.
Sublinhe-se que até ao nal de março, em mais de 18
milhões de vacinados, foram registados 30 casos de
coágulos, 22 dos quais correspondem a tromboses
venosas cerebrais (TVC) e os restantes oito estão
relacionados com plaquetas baixas.
18 JornalPortuguês 06/04/21 Desporto
Advertising JornalPortuguês 06/04/21 19
20 JornalPortuguês 06/04/21 Desporto
Moreirense-Sporting, 1-1 (crónica)
Leão traído por veneno da sua estirpe
Parque de Jogos Comendador Joaquim de Almeida
Freitas, em Moreira de Cónegos
O leão foi vítima de um veneno muito semelhante
ao que tem destilado este campeonato, perdendo
pontos em Moreira de Cónegos já para lá dos noventa.
Os três pontos estiveram na mão, mas Walterson fez
um grande golo e anulou a vantagem construída por
Paulinho, estabelecendo o 1-1 nal.
Foi competente o Sporting, soube adaptar-se às
várias fases do jogo e viu serem-lhe anulados dois
golos por fora de jogo. Preparava-se para suster a
vantagem mínima nos derradeiros instantes, mas viu
acontecer-lhe aquilo que tantas vezes aconteceu em
sentido inverso. Sofreu fora de horas.
O jogo em Moreira de Cónegos perspetivava-se difícil,
até pelas dimensões reduzidas, e os leões apareceram
preparados para isso. Só não estavam preparados par
ao golpe nal. É agora de oito pontos a vantagem do
Sporting sobre o mais direto concorrente, o FC Porto,
que fez o que lhe competia esta jornada.
Paulinho marca dois, mas só um contou
Depois de a concorrência ter feito o seu papel esta
jornada, o leão entrava em campo sabendo que tinha
de vencer para manter distâncias. Soube adaptar-se
às circunstâncias a equipa de Alvalade, arregaçou as
mangas e foi à luta com muitas disputas de bela e
jogo a poucos toques.
Aguerrido, o Moreirense encurtou sempre o espaço
de manobra ao líder do campeonato, povoou o setor
intermediário e evitou dar espaços para o jogo do
adversário uir. Até foi o Moreirense a ter a primeira
oportunidade do encontro, logos nos instantes
iniciais, com Rafael Martins a rematar ao lado, na
passada, ao aparecer isolado.
A estratégia do Moreirense funcionou até ao minuto
21, altura em que Paulinho se estreou a marcar
com a camisola do Sporting. Na sequência de um
lançamento, Daniel Bragança descobriu Paulinho nas
costas da defesa cónega. Pasinato ainda defendeu o
cabeceamento do atacante, mas na recarga Paulinho
atirou a contar.
Baixou de ritmo o encontro, Nuno Mendes foi
substituído devido a problemas físicos após ter sido
vítima de uma entrada brusca de Franco. Em cima do
intervalo os leões ainda voltaram a abanar as redes,
Paulinho assinaria um belo golo ao picar a bola sobre
Pasinato, mas havia fora de jogo de Pote no início do
lance.
Tranquilidade esteve a dois centímetros, Walterson
não foi nisso
Por cima do jogo, o Sporting procurava o segundo
golo que lhe valesse a tranquilidade no jogo. Essa
tranquilidade esteve a dois centímetros. Pote voltou
a introduzir a bola no fundo das redes, mas estava
dois centímetros adiantado em relação ao último
defesa, segundo as linhas do VAR.
Foi neste limbo que o cronómetro se arrastou até ao
minuto noventa. O Moreirense nunca incomodou
verdadeiramente, apesar de nos últimos minutos ter
crescido ligeiramente, o Sporting nunca deixou de
ter o jogo controlado, mas a vantagem de apenas um
golo deixa sempre espaço a surpresas.
Uma surpresa que surgiu mesmo. Remate cruzado
de Walterson com o pé esquerdo junto à quina da
área, remate em arco, um arco do triunfo para um
Moreirense aguerrido mas muito pouco perigoso.
Tropeça o leão em Moreira de Cónegos, dando uma
réstia de esperança à concorrência.
DESPORTO JornalPortuguês 06/04/21 21
Farense-Sp. Braga, 1-2 (crónica)
Felicidade minhota ao cair do pano
Estádio São Luís, em Faro
Um golo de Sporar nos descontos deu uma vitória
feliz ao Sp. Braga, num bom jogo de futebol e em que
Matheus foi determinante para a vitória minhota. pelo
que fez, o Farense era merecedor de outro resultado.
Com futebol positivo, como previu Jorge Costa, as
duas equipas criaram um jogo aberto, com muito
espaço para se jogar e como consequência com
jogadas de muito perigo nas duas balizas. No Farense,
Jorge Costa deixou o habitual 4x3x3 para colocar a
sua equipa em 4x2x3x1, com Fabrício encostado
na ala esquerda e Ryan Guald, no meio, a surgir nas
costas de Pedro Henrique. No lado contrário, Carlos
Carvalhal dispôs a sua equipa em 3x4x3.
Nos constantes movimentos de transições o Sporting
de Braga foi a primeira equipa a estar perto do golo,
quando Galeno disparou, fazendo a bola passar perto
do poste direito. Respondeu o Farense por Ryan
Gauld, que em dois minutos visou o alvo: o primeiro
remate foi ao lado e depois recebeu de Pedro
Henrique e adiantou-se a João Novais, rematando à
entrada da área, para defesa de Matheus. foi o melhor
período dos algarvios e que voltaram a criar perigo
por Bilel, depois de Borja ter falhado o corte, com o
franco-marroquino a ganhar espaço para rematar,
mas Matheus defendeu e na recarga Pedro Henrique
atirou à malha lateral
Perto da meia-hora os minhotos contrariaram o
controlo algarvio, inaugurando o marcador. Tudo
começou numa grande antecipação de César a
Ricardo Horta, cortando para canto, quando o
avançado estava preparado para encostar para
golo. Na sequência, João Novais colocou a bola ao
segundo poste e Al Musrati saltou mais alto que
Amine, para cabecear sem hipótese de defesa para
Beto. Mas os algarvios chegaram rapidamente ao
empate nos mesmo moldes que os bracarenses
abriram a contagem: canto de Gauld na direita, bola
ao segundo poste e Matheus a não chegar a tempo,
com Pedro Henrique a saltar entre Borja e Galeno,
para cabecear com êxito. Um golo que trouxe justiça
ao que se passara até então.
Sem abrandar, a ambição das duas equipas manteve-
se e na jogada imediata Ricardo Horta desperdiçou
grande oportunidade, rematando por cima e sem
oposição no coração da área, após uma iniciativa
de Esgaio. Pouco depois e novamente de canto,
João Novais deixou Abel Ruiz perto do golo, com o
avançado espanhol a cabecear ao lado, saltando sem
oposição, naquela que foi a última ocasião de golo
de uma primeira-parte movimentada e aberta. De
futebol positivo, como referiu Jorge Costa.
A etapa complementar começou como acabou, com
o Sp. Braga mais perto da baliza algarvia e Al Musrati
a tentar a sorte num disparo rasteiro, que saiu ao
lado. Mas o Farense cedo equilibrou e Ryan Gauld,
por duas vezes testou os reexos de Matheus. De
imediato, Carlos Carvalhal refrescou o ataque com as
entradas de Gaitan e Sporar. O argentino na primeira
vez que tocou na bola apareceu a desviar defronte de
Beto, mas a bola saiu por cima.
As alterações adiantaram o Sp. Braga que passou a
pressionar mais e a passar mais tempo no meio-campo
algarvio. No entanto, foi o Farense a desperdiçar a
melhor oportunidade, num cruzamento perfeito de
Ryan Gauld que colocou a bola na cabeça de Pedro
Henrique que sem oposição viu Matheus negar-lhe
o golo, com grande defesa por instinto. Um lance
que teve o condão de espevitar a equipa algarvia
que voltou a estar perto do golo nos últimos minutos
mas Matheus voltou a ser enorme, negando o golo a
Lucca e na recarga a Pedro Henrique. Em ambos os
casos, mesmo em cima da linha.
A felicidade acabou por sorrir aos minhotos no
primeiro dos três minutos de compensação: Galeno
ganhou a linha de fundo e cruzou para a pequena
área, com Gaitan a falhar o desvio, mas a bola sobrou
para Sporar que desviou com o joelho direto, a bola
vai à barra e cai para o pé esquerdo do avançado
esloveno, que agora não falhou e consumou uma
vitória feliz para a sua equipa.
22 JornalPortuguês 06/04/21 Desporto Desporto
Benfica-Marítimo, 1-0 (crónica)
Pausa na retoma exibicional, mas não na de resultados
Estádio da Luz, Lisboa
O Benca pôs pausa na retoma exibicional durante
90 minutos, mas não na de resultados: na receção ao
Marítimo, os encarnados somaram a quinta vitória
consecutiva na Liga, ao triunfarem por 1-0.
No regresso após a pausa para os compromissos
das seleções, a equipa de Jorge Jesus não foi tão
convincente como costuma ser – e como o técnico
com certeza desejaria –, mas convenceram o
suciente para voltarem a encurtar a distância para o
FC Porto para três pontos.
Jesus desfez o sistema de três centrais que tinha
apresentado em Braga – com grande sucesso, diga-
se –, e o experiente Vertonghen deu lugar a Everton
Cebolinha. Mas a fórmula não se mostrou tão ecaz
como a anterior.
Curiosamente o Marítimo, naquele que foi o terceiro
jogo de Julio Velázquez no comando do conjunto
madeirense, apresentou-se em campo com três
centrais, e conseguiu dicultar a tarefa das águias.
Mas, pausa na conversa: apesar de todas estas
avaliações, a vitória do Benca é incontestável e
inteiramente justa. Só que é mais cinzenta em relação
ao que a Luz tinha vivido nos últimos jogos.
Seferovic andou sempre longe do jogo, Everton
Cebolinha pouco ou nada acrescentou, Rafa
também foi mais tímido do que habitual, e até Weigl,
normalmente um poço de abilidade, apresentou-se
uns furos abaixo do que o que sabe.
Luca Waldschmidt e Adel Taarabt, este último
aqui e ali de forma mais trapalhona, foram os
mais esclarecidos. Lá atrás, Lucas e Otamendi só
permitiram uma gracinha ao Marítimo, prontamente
resolvida por Helton Leite.
Foi Waldschmidt, de resto, que fez o único golo do
jogo, num penálti exemplarmente cobrado, a castigar
uma falta de Hermes sobre Rafa aos 20 minutos.
Fantasmas do passado voltaram a assombrar a Luz,
mas não o suciente para impedir os três pontos
encarnados
Esse golo teve o condão de tranquilizar a equipa
encarnada, mas não o suciente para os pupilos de
Jesus partirem para uma exibição com outro brilho.
Amir foi sempre recebendo ameaças – Seferovic,
por duas vezes, Otamendi e Chiquinho tiveram
oportunidade soberanas para ampliarem a vantagem
–, mas alguma inecácia e o guarda-redes maritimista
evitaram esse 2-0. E o Marítimo acreditou.
A meio da segunda parte, Helton Leite negou o golo
a Winck com uma enorme defesa, e nos descontos
Jorge Correa deixou Julio Velázquez e companhia
com as mãos na cabeça.
A vitória do Benca é justa, repetimos, mas a Luz
voltou esta tarde/noite a ser assombrada por alguns
fantasmas do passado. Felizmente para as águias, a
pausa só foi feita na qualidade exibicional. E para a
semana há mais, em casa do sensacional Paços de
Ferreira.
Para o Marítimo, este desaire signica mais uma
jornada passada em lugares de descida. Velázquez
prometeu a permanência, mas a margem de manobra
começa a diminuir.
DESPORTO Jornal Português 06/04/21 23
Famalicão-Paços Ferreira, 2-0 (crónica)
Dois ovos a alegrar a Páscoa do Famalicão
Estádio Municipal de Famalicão
Páscoa Feliz em Famalicão. Dois golos deram aos
famalicenses a segunda vitória consecutiva na I
Liga, algo que ainda não tinha acontecido nesta
temporada. Anderson e Iván Jaime deram expressão
ao melhor jogo da formação orientada por Ivo Vieira
que, desde que pegou na equipa, ainda não perdeu e
continua a subir na classicação, fugindo aos lugares
de descida.
Já o Paços Ferreira averbou a quarta derrota
consecutiva fora de portas, em vésperas de receber
o Benca. Os pacenses nunca conseguiram impor o
seu jogo e o melhor que conseguiram fazer foi ter um
golo anulado, falhando assim a aproximação ao 4.º
lugar. Os famalicenses voltaram a vencer em casa, o
que já não acontecia desde novembro da temporada
passada.
Sem poder contar com os lesionados Babic e Ivo
Rodrigues e o castigado Gustavo Assunção, Ivo
Vieira lançou a jogo Patrick William, Iván Jaime e
Heri. O técnico veio trazer uma nova vida à formação
famalicense em apenas dois jogos. Depois de ter
travado o Sp. Braga (2-2), foi à Madeira golear o
Marítimo por 4-0 e, neste encontro, tentava alcançar
dois triunfos consecutivos, algo que ainda não havia
acontecido esta temporada.
O Famalicão tenta fugir aos lugares de descida, pelo
que alcançar os três pontos tornava-se primordial,
isto em vésperas de visitar Alvalade. Do outro lado,
estava um Paços de Ferreira tranquilo no 5.º lugar,
a tentar distanciar-se ainda mais do Vitória de
Guimarães, que havia perdido momentos antes, e a
tentar chegar-se acima ao Sp. Braga. A estabilidade
pacense passa também pelo onze inicial, tendo Pepa
feito apenas uma alteração no onze – saiu o castigado
Luther Singh e entrou Castanheira.
Em perspetiva estava um bom jogo entre duas
equipas que praticam um futebol positivo e virado
para o ataque. Os famalicenses começaram melhor,
pressionando alto, com dois e três homens sobre a
bola, e condicionando a saída de bola dos pacenses.
Com um meio campo muito móvel, a fazer parecer
um carrossel, dominavam a partida e conseguiam
recuperar o esférico com facilidade.
Gil Dias, com um remate de fora da área, abriu as
hostilidades, mas Jordi opôs-se com qualidade.
Os castores não conseguiam ter muita bola e só a
espaços espreitavam a área contrária, no entanto
nunca conseguiram incomodar a baliza à guarda de
Luiz Júnior.
O melhor estava guardado para perto do descanso.
Rúben Vinagre arrancou à entrada do meio campo,
deixou três adversários para trás e ofereceu o golo
a Anderson, que disparou para o fundo das redes.
Foi o quarto golo em três jogos do ponta de lança
brasileiro.
Famalicão a controlar e a marcar
Ao intervalo nenhum dos técnicos mexeu na equipa e
foi o Paços Ferreira a recomeçar melhor. Ainda assim,
Pepa não estava satisfeito com o rendimento da
equipa e fez duas alterações de uma assentada, logo
após o reatamento. Contudo, o Famalicão continuava
bem organizado, mostrava ser uma equipa coesa, e a
espreitar o contra-ataque. E saiu-se bem!
Ugarte ganhou o esférico ainda no seu meio campo,
foi por ali fora e deu para Gil Dias. O extremo viu a
desmarcação de Iván Jaime e endossou-lhe o esférico.
À saída de Jordi, o espanhol picou o esférico por cima
e fez o segundo. Corria mal a vida à turma pacense,
obrigando o técnico a refrescar a equipa.
As mexidas deram algum resultado. Os pacenses
tinham mais bola e chegavam à baliza contrária. E até
marcaram, mas Nuno Almeida acabou por invalidar
o lance. Douglas Tanque recebeu o esférico na área,
porém dominou o esférico com o braço. Com o golo
anulado, os castores foram amimicamente abaixo e
nunca mais conseguiram criar perigo, acabado por
ser os famalicenses, no contragolpe, a estar mais
perto do terceiro. O Famalicão acaba por vencer com
justiça.
24 Jornal Português 24 Jornal Português 06/04/2106/04/21 DESPORTO DESPORTO
V. Guimarães-Tondela, 1-2 (crónica)
Tondela aprende a ganhar fora de portas no berço
Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães
O Tondela conseguiu o primeiro triunfo fora de
portas esta temporada no D. Afonso Henriques.
Na fuga aos últimos lugares a equipa de Ayestarán
venceu por duas bolas a uma com um bis decisivo do
espanhol Mario Gonzalez, agudizando assim a crise
de resultados na cidade berço.
Os vimaranenses averbaram a quarta derrota
consecutiva e, não só perdem a possibilidade de
tentar chegar à frente na tabela classicativa, como
cada vez mais cam mais próximos dos mais diretos
perseguidores. Prestação para esquecer da equipa de
João Henriques.
O técnico prometeu uma equipa com saúde após a
pausa competitiva, mas a realidade é que o Vitória
esteve pouco acutilante ofensivamente, sem ideias,
e demasiado exposto a nível defensivo. Sem vencer
fora e com apenas dois pontos conquistados longe
de Tondela, os beirões aproveitaram a pouca energia
da equipa da casa para equilibrar forças e para se
superiorizar no resultado.
Estupiñán disfarça lacunas
Amorfo, sem rotinas de jogo e, acima de tudo,
sem alma, o Vitória de Guimarães apresentou-se
em campo completamente permeável, cando
facilmente à mercê de um Tondela personalizado e
que não se escusou a entrar de forma espevitada no
Estádio D. Afonso Henriques.
Foi mais competente a equipa de Ayestarán, soube
sair da pressão e com facilidade explorou as costas da
defesa adversária, criando várias situações de frisson.
Depois de várias ameaças a meio da primeira metade
Mario Gonzalez, a gura do jogo, deu expressão à
maior audácia beirã. Cruzamento de Filipe Ferreira
na esquerda, Jorge Fernandes falhou o corte e o
atacante espanhol desviou por entre as pernas de
Bruno Varela.
Aos quarenta minutos, quando caminhava para
o intervalo sem um remate enquadrado com a
baliza, Estupiñán ameaçou o resgate da equipa de
João Henriques. Sacko tirou o cruzamento largo e
o colombiano ganhou nas alturas a Yohan Tavares,
cabeceando para o fundo das redes. Um disfarce às
várias lacunas da equipa da casa.
Mario Gonzalez não desarma
Foi mais equilibrada a segunda metade. Faltou
critério, as duas equipas cometeram vários erros e o
jogo pareceu sempre estar comprometido de parte
a parte. Fez por estar por cima o Vitória, tinha mais
obrigação e mais pressão para isso.
Quaresma saltou do banco para ajudar ao
chuveirinho nal numa fase em que a equipa da casa
este efetivamente por cima do jogo. Ainda assim, ia
faltando critério, o de jogo e equilíbrio à equipa.
Depois de marcar na primeira metade o espanhol
Mario Gonzalez voltou a fazer o gosto ao pé a treze
minutos dos noventa, carimbando o triunfo do
Tondela. Oito meses depois os beirões voltaram a
vencer fora com um grande golo. Cruzamento de
Bebeto, remate de primeira do espanhol.
Brilhou Trigueira na fase nal, carregou o Vitória de
fome incessante, com a coragem que pareceu faltar
no resto do jogo. Somaram-se as oportunidades,
faltaram os tiros sorteios e o guarda-redes Trigueira
ganhou um lugar nos destaques do jogo. Agarrou-
se à vantagem o Tondela e ganha fôlego na fuga aos
últimos lugares.
25 Jornal Português 25 Jornal Português 06/04/2106/04/21 DESPORTODESPORTO
Belenenses-Boavista, 0-2 (crónica)
Angel, connamento e outras confusões
Estádio do Jamor
Esta história do connamento na Páscoa tem muito
que se lhe diga.
E longe de virmos para aqui com teorias negacionistas
ou com ponta de conspiração.
Só achamos que não faz sentido para todos os
setores. Isso não faz.
Por exemplo: alguém obrigou o Belenenses a car
connado ao seu meio-campo defensivo durante
quase 45 minutos do jogo frente ao Boavista?
Ao lermos as normas, diríamos que não. Mas foi
isso que aconteceu. E apesar de ter pela frente um
adversário que também não arriscou nas saídas por
aí além, parece ter sido o Boavista quem percebeu
melhor isto das limitações pascais.
E pior devem ter cado os jogadores de Petit quando,
depois de se manterem bem connados durante 43
minutos, terem sido castigados logo à primeira saída.
Também não é justo.
Mas como se costuma dizer, a justiça é cega. E a
verdade é que o golo de Angel Gomes foi o milagre
que devolveu à vida uma primeira parte de futebol
moribundo.
Já o segundo tempo foi mais animado. Nas asas de
Angel, perdão, nas arrancadas de Angel, o Boavista
continuou mais lançado para a frente. E voltou a ser
premiado aos 59m.
Após cruzamento de Hamache, Elis marcou o golo
que aponta à salvação o Boavista.
Ainda que Angel se tivesse feito diabo em cinco
minutos, ao ver dois cartões amarelos num abrir e
fechar de olhos.
A expulsão, porém, não mudou o destino dos
axadrezados. Porque mesmo em vantagem numérica,
o Belenenses continuou pouco audaz. Ou pouco
capaz de ameaçar o adversário.
E perante este cenário, o Boavista renasce para a
ponta nal, com três importantes pontos que o
podem tirar da zona de aição.
Já o Belenenses, apesar de se manter dois pontos
à frente dos boavisteiros, mostra que ainda tem
muito que caminhar nesta via sacra da busca
pela permanência, quando até tinham uma boa
oportunidade para dar um passo seguro.
Se ao menos tivessem percebido bem a história do
connamento...
Certo também é que o fundo da tabela mantém-se
uma confusão que ainda deixa muito por escrever.
26 Jornal Português 26 Jornal Português 06/04/2106/04/21 DESPORTO DESPORTO
FC Porto-Santa Clara, 2-1 (crónica)
Santa paciência até Toni salvar a Páscoa ao dragão
Estádio do Dragão, Porto
Houvesse público no Dragão e hoje seria um
daqueles jogos de nal épico, com gente aos pulos
nas bancadas e gritos de vitória.
Este é um daqueles jogos cuja história começa pelo
m e por um herói improvável saído do fundo do
banco para roubar a cena e resgatar os seus para local
seguro.
Ramos (Daniel, entenda-se) quase estragou a Páscoa
ao Dragão, mas Toni Martínez apareceu para salvar a
Semana Santa, antes do grande duelo de Sevilha da
próxima quarta-feira.
Foi preciso paciência, santa paciência para o FC Porto
encontrar um caminho para o fundo das redes diante
de um Santa Clara muito organizado, que dividiu o
jogo durante uma hora.
Para início de conversa, Sérgio Conceição poupou
Mbemba, Zaidu e Corona, desgastados das seleções,
enquanto Daniel Ramos não pôde contar com Fábio
Cardoso e Allano (castigados) e durante a semana
perdeu Fábio Oliveira e Anderson Carvalho, por lesão.
Desde o apito inicial, o Santa Clara mostrou ao que
vinha: pressão alta na saída de bola do FC Porto,
muitas vezes em cima de Marchesín, o que dicultava
a organização ofensiva dos dragões.
Só quando saía dessa primeira linha de pressão é que
a equipa de Conceição conseguia criar algum perigo.
Não muito, ainda assim.
Aliás, os açorianos estiveram mais perto do golo na
primeira parte. Tão perto que até introduziram a bola
na baliza num lance bem anulado a Carlos Jr., que
quando desvia na pequena área está 28 centímetros
adiantado.
Do lado do Santa Clara, Lincoln servia com perigo os
companheiros – como Nené, que aos 26m surgiu ao
segundo poste para uma grande oportunidade salva
por Marche –, pelo FC Porto era Sérgio Oliveira quem
pegava na batuta e tentava trazer algum cérebro a
uma equipa demasiado nervosa na primeira parte.
Chegados ao intervalo, o Santa Clara tinha os únicos
dois cantos da partida e igualava em número de
remates (2-2), apesar de uma ligeira desvantagem na
posse de bola (44%-56%).
O FC Porto parecia ter encontrado a chave para
começar a resolver o jogo logo no início da segunda
parte, quando Otávio isolou Taremi e este foi
derrubado pelo guarda-redes Marco.
Sérgio Oliveira converteu e o campeão nacional
só não suspirou de alívio porque dois jogadores
experientes como Pepe e Marchesín haveriam de
cometer um erro infantil, obrigando Diogo Leite a
derrubar na área Lincoln.
Carlos Jr. converteu o penálti e restabeleceu o empate
ao m de sete minutos.
A meia-hora do m, o despertador tocou no Dragão.
Na hora em que Taremi falhou de forma inacreditável,
prolongando o desacerto dos últimos jogos.
Conceição lançou Corona e Fábio Vieira, primeiro,
e depois foi acrescentando Francisco Conceição,
até arriscar tudo com Evanilson e Toni Martínez nos
minutos nais. E o FC Porto passou a jogar no meio-
campo adversário em 30 metros.
Encontrou pela frente uma equipa muito bem
arrumada por Daniel Ramos, que manteve o quarteto
defensivo e foi refrescando lá na frente.
E o Santa Clara era desmontado com um passe nas
costas da defesa, Taremi continuava o desacerto
(juntamente com Diogo Leite, aos 83m). Fábio Vieira,
Corona e Francisco Conceição tentaram descobrir um
buraco, mas não havia como derrubar a resistência
açoriana.
Até que... apareceu Toni Martínez para salvar a Páscoa
e adoçar as amêndoas que amargavam no Dragão
O FC Porto vence, encurta provisoriamente a distância
para o líder Sporting e segura o segundo lugar (a seis
pontos do Benca, que tem menos um jogo).
No mesmo dia em que o Chelsea foi goleado em casa
pelo WBA (2-5), para a Premier League, os dragões
ganham na raça um jogo difícil. Melhor «boost»
emocional é impossível antes do duelo da Liga dos
Campeões.
27 Jornal Português 27 Jornal Português 06/04/2106/04/21 DESPORTO DESPORTO27 Jornal Português 27 Jornal Português 06/04/2106/04/21 DESPORTO DESPORTO
Rio Ave-Gil Vicente, 0-2 (crónica)
Castigo para a ultrapassagem
Estádio do Rio Ave FC, Vila do Conde
Uma grande penalidade convertida por Talocha aos
76 minutos e um golo de Samuel Lino no último lance
do jogo (90+6m) garantiram a vitória ao Gil Vicente
em Vila do Conde e consequente ultrapassagem ao
Rio Ave na classicação.
Os barcelenses repetem o resultado da primeira volta
em casa, chegam aos 28 pontos e garantem que pelo
menos ultrapassam a equipa de Miguel Cardoso
ao nal desta jornada: o Rio Ave continua com 27
e ainda não foi desta que somou, em 2020/2021,
quatro jornadas seguidas sem perder.
Esta foi também a segunda vitória seguida do Gil
Vicente fora de casa, após o êxito em Guimarães, num
adversário de maus hábitos para Filipe Augusto, que
se tinha marcado um autogolo em Barcelos, foi agora
expulso por um protesto desnecessário antes do 0-1
de Talocha.
O Gil Vicente entrou melhor. Nos primeiros dez
minutos, quase só se jogou no meio-campo defensivo
do Rio Ave. Ao m desse período, até houve golo de
Ygor Nogueira, mas anulado por fora-de-jogo claro.
Antes, já Talocha tinha deixado um sério aviso, com
um livre que rasou o poste direito.
O Rio Ave, que até foi tendo bola, não foi capaz de
contrariar logo o Gil Vicente que, com ou sem ela,
esteve bem na defesa, nas marcações e a chegar à
área contrária. Novo exemplo foi uma boa jogada,
que teve cruzamento de Joel Pereira para um belo
cabeceamento de Pedro Marques (19m): Kieszek
correspondeu, todo no ar, mas mesmo sem isso,
não teria consequências, pois o jovem cedido pelo
Sporting estava adiantado.
Foi por esta altura que o Rio Ave melhorou, com
crescente chegada à área contrária, fruto da maior
agressividade na disputa pela bola. No saber o que
fazer com a mesma. A maior rapidez e precisão dos
homens de Miguel Cardoso obrigou Ricardo Soares a
ser mais interventivo para dentro de campo e o aviso
mais sério surgiu aos 28 minutos, quando Carlos
Mané desviou ao lado um cruzamento de Sávio.
Perto do intervalo, houve novo aviso para Denis,
que segurou um remate de Gelson Dala, num livre
estudado do Rio Ave.
A primeira parte acabou sem golos. Infelizmente,
até, dado o jogo agradável nos Arcos, com entrega e
responsabilidade mútuas.
O reinício de jogo foi uma fotocópia do arranque. O
Gil Vicente entrou melhor e, em poucos segundos,
quase foi feliz pelo sorridente e habilidoso Fujimoto.
Contudo, o japonês atirou ao lado, após boa jogada
entre Pedrinho e Pedro Marques.
O Rio Ave sentiu estes primeiros minutos, Miguel
Cardoso mediu o pulso ao jogo e fez o que bem
resultou: tirou o avançado Brandão, lançou Guga e
reforçou o meio-campo, ganhando de imediato o
jogo em zona nuclear.
Sob a batuta de Geraldes e a vontade e frescura de
Guga, o Rio Ave conseguiu mostrar o seu jogo, ao
primeiro toque e em progressão, com Dala como
referência mais central. Mas havia Denis como
barreira, a assinar um dos momentos do jogo, numa
enorme defesa à ocasião criada pelo pé esquerdo de
Geraldes, que cou a lamentar o que seria um golaço
(63m). Pouco depois, foi Mané a testar o guardião
brasileiro, que se antes voara, desta feita foi ao solo
agarrar a bola (68m).
Só que o nal de jogo foi nefasto para o Rio Ave.
Tudo mudou ao minuto 76. Borevkovic fez falta para
penálti sobre Pedrinho, Filipe Augusto pontapeou
a bola em jeito de protesto, já tinha amarelo e foi
expulso. Talocha, dos 11 metros, não falhou.
Com menos um homem e um golo de desvantagem,
ao Rio Ave não bastou a crença e o Gil Vicente castigou
ainda mais no último lance. O golo de Samuel Lino
sentenciou a vitória e a ultrapassagem na tabela.
28 DESPORTO 28 DESPORTO JornalPortuguês JornalPortuguês 06/04/21
Nacional-Portimonense, 1-5 (crónica)
Cinco machadadas na Madeira
Estádio da Madeira, Funchal
No reatamento do campeonato, após a pausa para
os compromissos internacionais, o Portimonense
foi à Madeira golear o Nacional, dando um passo
assertivo na busca pela manutenção. Do outro lado,
não foi feliz o jogo de estreia de Manuel Machado, no
regresso ao banco dos madeirenses, que cam ainda
mais aitos.
Dando início à sua quarta passagem pelo clube
alvinegro, Manuel Machado promoveu uma série de
alterações no onze inicial, dando azo também a um
estilo de jogo bem distinto. A primeira ocasião surgiu
para a equipa visitante, aos 14 minutos, quando Beto
rematou contra o corpo de Rui Correia, fazendo a bola
a descrever um arco na direção na baliza, e obrigando
Piscitelli a mostrar-se atento.
Depois de um início morno, embora com ligeiro
ascendente da equipa portimonense, o aproximar
dos 20 minutos de jogo trouxe alguns momentos de
aição para a defensiva do Nacional.
A equipa madeirense apresentava-se com uma
estratégia bem diferente da que era habitual com
Luís Freire, baseando-se num jogo mais vertical e
menos apoiado, dando mais liberdade ao adversário.
Aos 26 minutos, numa das primeiras oportunidades
para os insulares, João Vigário bateu um livre contra
a barreira, beneciando de um pontapé de canto
depois de a bola não ter saído muito longe da baliza.
Mas foi sem grande surpresa que, aos 33 minutos, Beto
apareceu na cara de Piscitelli para fazer o primeiro
golo, numa jogada em que a defesa alvinegra cou
a ver jogar, deixando Mou com espaço para cruzar
de trivela.
Não cou por aí a equipa de Paulo Sérgio, e aos
44 minutos, quase chegava o segundo golo do
Portimonense, mas Luquinha rematou à gura de
Riccardo Piscitelli. No minuto seguinte, porém,
o médio brasileiro não desperdiçou, e depois de
conduzir a bola até à grande área, confundiu toda
a defensiva do Nacional, antes de colocar, em jeito,
a bola no poste mais distante, e deixando o guarda-
redes italiano preso à relva.
Logo a abrir a segunda parte, uma perda de bola de
Nuno Borges quase dava o terceiro golo aos homens
de Portimão, mas o remate de Anderson Oliveira
passou ao lado por escassos centímetros, e Boa Morte
chegou tarde para a emenda. Na resposta, o Nacional
ganhou um livre, batido por Vigário contra a barreira,
antes de um segundo remate ter passado não muito
longe da baliza, ainda desviado por um defesa.
Aos 54 minutos, numa jogada rápida dos algarvios,
Mou colocou a bola em Beto, que atirou na direção
da baliza do Nacional, aproveitando mais um
momento de passividade dos insulares. Dois minutos
volvidos, a equipa de Paulo Sérgio continuava sem
tirar o pé do acelerador e o quarto golo esteve à vista,
numa jogada em que Beto serviu Aylton Boa Morte,
valendo uma boa defesa de Piscitelli.
Aos 63 minutos, a equipa de Portimão dispôs de um
livre bem chegado à grande área, e coube ao recém-
entrado Fali Candé a tarefa de cobrar o lance. Da
primeira vez que tocou na bola, o avançado aumentou
a vantagem para o Portimonense, atirando rasteiro
para bem junto ao poste mais distante.
Na resposta, Gorré rematou à baliza de Samuel
Portugal, mas o guarda-redes dos algarvios desviou
para canto. Foi uma espécie de ensaio para o tento
de honra, que apareceu aos 68 minutos. Rochéz,
também ele acabado de entrar, e logo da primeira
vez em que tocou no esférico, reduziu para a equipa
da casa, com um remate que ainda foi desviado após
bater em Willyan.
A toada não mudou muito, contudo, e o quinto golo
esteve à vista num par de ocasiões, a mais evidente
aos 74 minutos, quando Aylton lançou Beto com
um belo passe a aproveitar a desmarcação, antes do
avançado servir Luquinha, que atirou rasteiro, para
encontrar a mancha de Piscitelli.
Mesmo assim, os homens da casa começavam a
aproximar-se mais da baliza, beneciando sobretudo
da entrada de Rochéz, que foi assumindo a função de
referência atacante. Nos contra-ataques, porém, era
muito perigoso o Portimonense.
O ponto de exclamação foi o quinto golo para os
algarvios, já nos descontos. Um belo passe de rotura
de Poha deixou Fabrício em boa posição para bater o
guardião do Nacional e deixar o resultado no 5-1 que
se manteve até ao apito nal.